Estamos em guerra governo 728×90  – ALE celular 300×250
Estamos em guerra 468×60

Escola Risoleta Neves - foto QuintelaO primeiro ano de implantação da Educação Profissional em Rondônia alcançou resultados positivos em 2013, superando as expectativas, de acordo com a coordenadora do segmento, Ângela Veronez. Mais de 250 alunos participam da cooperação técnica realizada entre a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (Senac), que oferece sete cursos técnicos em escolas estaduais da rede pública do Estado. Devido à alta demanda, a perspectiva para 2014 é de ampliação do número de cursos e escolas.

Implantado desde o início deste ano, a Educação Profissional atende estudantes do Ensino Médio de escolas estaduais de Porto Velho, como Major Guapindaia, José Otino e Risoleta Neves; Ariquemes com Ricardo Castanhedes; Vilhena a unidade escolar Zilda Frota Uchoa; e Guajará-Mirim com a Alkindar Brasil de Arouca. Entre os cursos oferecidos estão de edificações, rede de computadores, manutenção e suporte em informática, eletrotécnica, vendas e finanças, hospedagem e contabilidade.

Veronez explica que os cursos profissionalizantes possibilitam, de forma rápida e integrada com aulas regulares, a formação dos alunos para o mercado de trabalho. “Os cursos são de excelente qualidade e preparam a turma para a carreira profissional ao concluir o Ensino Médio”, conta. Nesta modalidade de Educação Profissional, o aluno concilia dentro da própria escola as aulas regulares e as do curso profissionalizante durante o período de, em média, dois anos.

Uma das unidades escolares da capital que oferece a Educação Profissional é Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Otino de Freitas com o curso de Manutenção e Supervisão em Informática. A turma, que é a primeira do projeto, conta com 25 alunos e aprende desde a operação básica de um computador até a montagem, configuração e sustentação de uma rede, explica o professor e coordenador da disciplina, Boniek Bezerra. A escola dispõe de três laboratórios e uma biblioteca com livros especializados para o curso.

RESULTADOS POSITIVOS

Na turma está o aluno Italo Belarmino, de 16 anos. Ele conta que se interessou pelo curso por já ter uma afinidade com o tema e pretende seguir carreira no ramo de informática. “Meu pai é analista de sistemas e, por ele, acabei gostando da área”, comenta.

Boniek considera que o segmento toca na postura profissional dos alunos participantes do curso. “A turma era bem diferente de como está agora. Os resultados estão sendo positivos, o rendimento aumentou bastante, o nível de reprovação é quase zero e, até o momento, não teve nenhuma evasão”, relata.

Para 2014, a grande demanda de alunos para este tipo de segmento de ensino fez com que a Seduc, junto com o Senai e Senac, analisasse e aprovasse a expansão do atendimento aos cursos técnicos no Estado. Com isso, está previsto o aumento de turmas nas escolas que já têm a Educação Profissional, além da inclusão dos cursos de panificação nas escolas estaduais Orlando Freire, em Porto Velho, comunicação digital e multimídia na Heitor Villa Lobos, em Ariquemes e administração na Alkindar Brasil, em Guajará-Mirim.

Texto: Halex Frederic

Foto: Quintela

estamos em guerra 728×90 2
covid 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO