Estamos em guerra governo 728×90  – ALE celular 300×250
Prefeito de Chupinguaia, Vanderlei Palhari, negou as acusações
Prefeito de Chupinguaia, Vanderlei Palhari, negou as acusações
Estamos em guerra 468×60

Através de Ação Cível Pública, o Ministério Público (MP) requereu à Justiça de Rondônia a indisponibilidade dos bens do prefeito de Chupinguaia, Vanderlei Palhari, do ex-secretário municipal de saúde, José Rubens de Souza Quirino, e representantes da empresa  V. L. Pinheiro Me, Valdenei Francisco de Jesus e Jaine da Silva  Lôbo. Eles são acusados de irregularidades na locação de veículo e na prestação do serviço de transporte de pacientes a essa prefeitura.

Segundo o MP, Palhari e José autorizaram a locação de um veículo para transportes de pacientes da empresa V. L. Pinheiro ME, que sublocou da Jaine da Silva Lobo. A prefeitura teria pago R$ 20 mil,  e o serviço não fora  efetivamente prestado. Nos documentos juntados aos autos, há indícios de atos de improbidade.

Em sua defesa, Palhari negou as acusações e alegou que apenas autorizou uma despesa legal para a contratação de  veículo para transporte de paciente. O mandatário municipal diz ainda se tratar de denúncia política.

Ao proferir a decisão no último dia 03 de janeiro, a Juíza de Direito, Christian Carla de Almeida Freitas, acatou, em parte, a denúncia, mas exclui dos autos um dos acusados. A juíza, por enquanto, indeferiu o pedido de indisponibilidade dos bens “porque ainda não houve adequação concreta do valor de eventual reparação dos danos e de pagamento de multa civil”.

 

>>> Confira, abaixo, a decisão na íntegra:

 

Proc.: 0005578-59.2013.8.22.0014

Ação: Ação Civil de Improbidade Administrativa

Requerente: Ministério Público do Estado de Rondônia

Advogado: Promotor de Justiça do Estado de Rondônia ( Não informado)

Requerido: Vanderlei Palhari, José Rubens de Souza Quirino,  V. L. Pinheiro Me, Valdenei Francisco de Jesus, Jaine da Silva  Lôbo

 

DECISÃO:

RELATÓRIO – O Ministério Público do Estado de Rondônia  ajuizou ação civil pública com pedido liminar de medida cautelar  incidental de indisponibilidade de bens contra Vanderlei Palhari,  José Rubens de Souza Quirino, V. L. Pinheiro ME, Valdenei  Francisco de Jesus e Jaine da Silva Lobo, alegando, em síntese,  irregularidades na locação de veículo e na prestação do serviço de transporte de pacientes.

Os requeridos foram notificados por oficial de justiça (fls. 26/27) e por edital (fls. 33/34). O requerido  Vanderlei Palhari apresentou manifestação, requerendo, em  preliminar, a inépcia da inicial por falta de individualização da conduta, ausência de dolo e ilegitimidade passiva pois  apenas autorizou uma despesa legal para a contratação de  veículo para transporte de paciente, e no MÉRITO, alegou que  trata-se de denúncia meramente política e que o transporte  de passageiros foi feito conforme os relatórios apresentados  mensalmente. A Defensoria Pública, na condição de curadora de ausentes, apresentou manifestação por Negativa Geral em favor dos requeridos notificados por edital. Os demais  requeridos não se manifestaram.

FUNDAMENTAÇÃO

Trata-se de ação civil pública onde pretende o Ministério Público ver imputada aos requeridos irregularidades na locação de veículo e na prestação de serviços de transporte de pacientes. Segundo consta na inicial e documentos acostados, o prefeito municipal  e o então secretário municipal de saúde locaram um veículo para transportes de pacientes da empresa V. L. Pinheiro ME que sublocou da Srª Jaine da Silva Lobo e o serviço não foi  efetivamente prestado. Nos documentos juntados aos autos há indícios de atos de improbidade, enquanto na defesa apresentada pelo requerido Vanderlei Palhari, não é possível afirmar se o serviço foi prestado da forma alegada. O requerido Valdenei Francisco de Jesus prestou depoimento no Inquérito Civil às fls.68/69, confirmando que adquiriu o veículo para uso pessoal pagando o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), que nunca efetuou transporte de pacientes, que não possui vínculo algum com a Prefeitura de Chupinguaia. Assim, verifico estarem preenchidos os pressupostos e condições da ação,

bem como ser adequada a via da ação civil pública, todavia, não há indícios de irregularidades cometidas pelo requerido Valdenei Francisco de Jesus, que comprou e pagou pelo veículo para uso pessoal.

 

DECISÃO

Desta forma não sendo o caso especificado no parágrafo 8º do art. 17, da Lei nº 8.429/92,

nos termos do parágrafo 9º do mencionado artigo, RECEBO a petição inicial em seus próprios termos em face dos requeridos Vanderlei Palhari, José Rubens de Souza Quirino, V. L. Pinheiro MEe Jaine da Silva Lobo. Deixo de receber a inicial contra o requerido Valdenei Francisco de Jesus, excluindo-o do pólo passivo, em razão dos fundamentos acima descritos. Citem-se para contestarem no prazo de 15 dias, sob pena de revelia e confissão.Por força do art. 17, § 3º, da Lei 8.429/92, determino a citação do município de Chupinguaia para em 15 dias, revelando-se útil ao interesse público, possa atuar como  litisconsorte ativo do MP.

Considerando que não se trata de prazo de contestação, não incidente a contagem em quádruplo do art. 188 do CPC.Indefiro o pedido de indisponibilidade de bens porque ainda não houve adequação concreta do valor de eventual reparação dos danos e de pagamento de multa civil; tampouco há indicativos de que os réus estariam dilapidando seu patrimônio. De qualquer forma eventuais alienações patrimoniais que conduzam à insolvência serão inócuas porque se configuraria fraude à execução.

Dê-se ciência ao Ministério Público.

CÓPIA DESTA DECISÃO SERVIRÁ COMO MANDADO.

Pessoas a serem citadas por Oficial de Justiça: 1- VANDERLEI PALHARI, Prefeito do Município de Chupinguaia; 2- JOSÉ RUBENS DE SOUZA QUIRINO; 3- EMPRESA V.L.PINHEIRO,  com sede no Distrito de Novo Plano, no Município  de Chupinguaia;

Pessoas a serem citadas por Edital: 4- JAINE  DA SILVA LOBO, no Distrito de Novo Plano, no Município de Chupinguaia.

Vilhena-RO, sexta-feira, 3 de janeiro de 2014.

Christian Carla de Almeida Freitas

Juiz de Direito

 

 

Texto: Extra de Rondônia

Foto: Divulgação

estamos em guerra 728×90 2
covid 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO