dengue 728×90 – 2
Recentemente o postinho passou por reforma e ampliação
Recentemente o postinho passou por reforma e ampliação

Uma equipe de reportagem do Extra de Rondônia esteve na manhã desta quarta-feira, 19, na policlínica João Luiz, localizada na Avenida Capitão Castro, próximo ao Batalhão do Corpo de Bombeiros, em Vilhena, onde a vereadora Maria José da Farmácia (PDT) decidiu fazer uma visita surpresa, para prestar solidariedade ao médico oftalmologista, Rafael Albuquerque, que denunciou, através deste site na última terça-feira, 18, as péssimas condições de trabalho que enfrentam no local (veja mais sobre o assunto no link http://www.extraderondonia.com.br/2014/03/18/medico-ameaca-deixar-de-atender-pacientes-por-falta-de-condicoes-de-trabalho/).

O que a vereadora constatou foi um descaso total na unidade de saúde. Os profissionais que prestam serviço na policlínica João Luiz confirmaram o que foi relatado por Albuquerque, e acrescentaram que além da falta de equipamentos para atender a população, as condições físicas do prédio não oferecem o mínimo necessário para um bom procedimento médico.

Um dos médicos que conversaram com a equipe de reportagem (porém preferiu não se identificar por conta de represálias) disse que o problema vai além. “Não temos equipe de apoio, e para que o local fique limpo tanto os médicos quanto os enfermeiros são obrigados a fazer faxina semanalmente para dar condições aos usuários do sistema”, disse o profissional.

Outro médico ouvido pelo Extra de Rondônia disse que em sua sala não há pia para fazer higienização das mãos, o forro está em péssimo estado de conservação, e que já não comporta mais as fezes de pombos e ratos que há abaixo das telhas. A parte elétrica está toda danificada, o negatoscópio (aparelho para visualização de raio X) está danificado e as paredes mofadas.

A vereadora pedetista disse que ficou abismada com as condições da policlínica. “Não imaginei que estava tão ruim. Isso é uma vergonha para nossa cidade”, opina. Mulheres que moram no centro da cidade, e que precisam fazer exame preventivo, não podem contar com esse serviço na unidade de saúde. Isso porque a única mesa ginecológica não oferece mais condições de uso. “Como vamos fazer procedimentos ginecológicos sem equipamentos? Não podemos colocar as pacientes em bancos de espera para isso”, relatou o enfermeiro, Caio Mendes da Silva. O erro de projeto na reforma do local, orçada em pouco mais de R$ 150 mil é evidente. Na sala de espera, por exemplo, as unidades condensadoras do ares-condicionados dos consultórios retiram o ar quente e jogam nos pacientes, deixando o local superaquecido.

Salas em anexo da policlínica não contam com cobertura, o que mantém as paredes externas mofadas, levando a umidade para dentro da policlínica, e dificultando o atendimento médico. A situação literalmente mais nojenta, é o lixo que fica a céu aberto. Várias sacolas plásticas cheias de lixo expostas aos usuários, e animais, que podem facilmente rasgá-las e espalhar o lixo estão em várias partes, dividindo espaço com alguns caramujos.

DSC_0478 DSC_0476 DSC_0475 DSC_0469 DSC_0468 DSC_0467 DSC_0466 DSC_0462 DSC_0461 DSC_0460 DSC_0459 DSC_0458 DSC_0457 DSC_0456 DSC_0454 DSC_0453 DSC_0452 DSC_0450 DSC_0449 DSC_0448 DSC_0446 DSC_0445 DSC_0444 DSC_0442 DSC_0441 DSC_0440 DSC_0439 DSC_0438 DSC_0437 DSC_0436 DSC_0434 DSC_0433 DSC_0430 DSC_0429 DSC_0426

A vereadora Maria José foi conferir in loco o caos na unidade de saúde
A vereadora Maria José foi conferir in loco o caos na unidade de saúde

 

Fonte: Extra de Rondônia

Texto: Rômulo Azevedo

Fotos: Rômulo Azevedo

dengue 728×90

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO