dengue 728×90 – 2

bliztznasser-4 (1)A cidade de Vilhena tem uma frota de mais de 15 mil carros. E muitos deles estão com os vidros mais escuros que o permitido pela legislação de trânsito. Entretanto, poucas são as multas aplicadas para os proprietários destes veículos que abusam da situação. O motivo é um só: há mais de um ano, o aparelho Medidor de Transmitância Luminosa está danificado e precisa ser aferido.

De acordo com o sargento Itamar De Santi, que trabalha no Policiamento de Trânsito (P-tran), em Vilhena, não há previsão para que o equipamento seja a aferido e volte a ser usado. “Rondônia não conta com local para aferir o nosso aparelho, então temos que mandar para fora do estado”, informou Itamar, à reportagem do Extra de Rondônia.

De acordo com a Resolução 254, do Conselho Nacional de Trânsito, a película do pára-brisa deve ter transparência de 75%. Nas janelas do motorista e do carona é de 70%. Já nos vidros traseiros, 28%. As películas refletivas são proibidas. Quem desrespeitar a lei leva multa de R$ 127 e cinco pontos na carteira, e retenção do veículo para regularização.

Itamar disse que a orientação do comando do 3 BPM é que sejam abordados apenas os casos gritantes, quando o carro está praticamente com 100% de insulfilmes, além dos espelhados. “Nesses casos, paramos o motorista e aconselhamos a retirar a película automotiva, pois é proibido. Com relação às películas espelhadas, os motoristas são diretamente multados, porque, nesse caso, não é necessário usar aparelho para fiscalização”, concluiu o sargento.

Texto: Extra de Rondônia

Foto: Divulgação

dengue 728×90

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO