Queimada 728×90

milhoA prática comum de quem mora próximo às plantações começou a render dor de cabeça e prejuízos aos produtores de milho, que iniciam a colheita nesta época do ano.

O problema, segundo o presidente do Sindicatos dos Produtores Rurais de Vilhena e Chupinguaia (SPR), Gustavo Sartor, é que quem “roubava” os milhos com sacolinhas (em poucas quantidades) começou a tomar gosto pela coisa, e em algumas plantações vilhenenses os proprietários já chegaram a registrar a retirada de cargas feitas com caminhonetes e caminhões modelo ¾, do produto.

A entrada dos veículos nas áreas plantadas gera prejuízos, pois além da “retirada” dos cereais, há a destruição de algumas mudas.

Para evitar um confronto entre produtores e adeptos da prática de “roubar” milho, o SPR entrou em contato com a Polícia Militar (PM) que já se disponibilizou em ajudar a manter a ordem no campo. A partir de agora, o produtor que flagrar a “roubadinha de milho” está autorizado a chamar a PM através do número 190, que uma viatura irá até o local. “Quem planta milho está acostumado com esse comportamento, e até tolera a retirada de algumas espigas. Mas cargas grandes não tem como. Gera prejuízo, pois a plantação tem um custo”, explica Gustavo Sartor.

As áreas onde a prática é comum são na redondeza do CETREMI, e nas plantações que margeiam a BR- 174, que liga o sul de Rondônia ao noroeste do Mato-Grosso. “Gostaria de agradecer a PM pela compreensão e auxílio para minimizar o problema. Peço, ainda, que os adeptos dessa prática parem com isso, pois poderão ter problemas”, arrematou o presidente do sindicato.

 

Fonte: Extra de Rondônia

Texto: Da Redação

Foto: Divulgação

segurança – 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO