dengue 728×90 – 2

catinga capaO mal cheiro exalado pela fossa do Hospital Regional de Vilhena, Adamastor Teixeira de Oliveira, está de aniversário.

E quem mais uma vez ganhou o “presente” foram os comerciantes instalados nas redondezas do complexo de saúde, que convivem diariamente com a fedentina.

De acordo com os cálculos feitos por eles, nessa semana, o “estouro da fossa” completa três anos de atividade sem sequer uma promessa de resolução do problema.

Alguns taxistas que estavam no local, e que conversaram com a equipe de reportagem do Extra de Rondônia, contaram que não é preciso sequer chuvas fortes para o “fenômeno” apresentar atividade. “Todos os dias depois do horário de visita a região fica insuportável. A água suja da fossa escorre, vem pra rua e quem passa pelo local é obrigado a pisar nela. A nós cabe cheirar isso e se conformar”, disse o profissional, que pediu sigilo sobre sua identidade. O motivo? “Bom, já nos avisaram que se reclamássemos a prefeitura iria nos tirar daqui. Então o jeito é ficar quieto”, explica.

A água presente no buraco que ilustra essa matéria, de acordo com os comerciantes da redondeza, é da fossa, que escorre diariamente. Alguns donos de empresas na localidade contaram que funcionários da Secretaria Municipal de Obras estiveram no local, mas nada fizeram.

catinga do regional (1)

catinga do regional (2)

Fonte: Extra de Rondônia

Texto: Da Redação

Fotos: Rômulo Azevedo

dengue 728×90

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO