Estamos em guerra governo 728×90  – ALE celular 300×250
Estamos em guerra 468×60

DSC_0728A prisão ocorreu por volta das 13h30, desta sexta-feira, 30, Avenida 34 com a Rua 821, Bairro Setor 8, em Vilhena. Dois jovens foram acusados de comércio de entorpecentes, Yuri Felipe de Lima, 18, e Adriano de Oliveira Valério, 22, e Thiago Lopes da Silva, 25, levado até a delegacia como usuário.

Segundo narra o Boletim de Ocorrência, a Polícia Militar recebeu várias ligações anônimas onde a população relatava que dois suspeitos estariam comercializando drogas na região há algum tempo, chegando a ser presenciados até mesmo na praça do ginásio de esportes “Geraldão”.

Chegando ao local, os militares encontraram Yuri e Adriano trafegando de bicicletas pela rua. Ao avistarem a viatura, os suspeitos se assustaram com os policiais e tentaram fugir se separando um do outro.

Foi quando os PMs fecharam o cerco aos suspeitos e viram quando Adriano tirou algo da boca e jogou em meio ao mato. Em revista a Yuri, este tinha em meio a seus pertences a quantia de R$ 167, 00.

Já o acusado Adriano estaria com a droga na boca, mas quando viu que a “casa caiu” a dispersou, porém o papelote com as parangas que pesou 7 gramas foi encontrado pelos policiais. A dupla negou vender entorpecente, mas o celular de um dos acusados não parava de tocar na delegacia, onde usuários marcavam encontro para comprar a droga.

Um policial atendeu uma das ligações, onde o usuário Thiago acabou caindo em sua conversa e marcou o suposto encontro para a compra da droga. Quem foi até ele foi dois policiais do Núcleo de Inteligência que o encaminharam para a delegacia.DSC_0728 DSC_0726 DSC_0723

Fonte: Extra de Rondônia

Texto e Fotos: Matias Siqueira

 

 

estamos em guerra 728×90 2
covid 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO