aftosa
Edson Pinheiro ligou para a família com o intuito de confirmar as informações; medida deu certo
Edson Pinheiro ligou para a família com o intuito de confirmar as informações; medida deu certo

O agente funerário Edson Clei Castro Pinheiro visitou a redação do Extra de Rondônia na tarde desta segunda-feira, 15, para fazer um alerta à população de Vilhena.

Ele foi vítima do “golpe do parente”, e por pouco não amargou um prejuízo de R$ 900.

Edson contou que sua filha, que está no município de Cacoal, entrou em contato com ele por telefone comunicando que um sobrinho que mora em Belém (PA) ligou dizendo que estava a caminho de Rondônia, porém havia sofrido um acidente na estrada, e precisava de auxílio.

A menina passou o número do celular do pai, e pediu para que o “sobrinho” o contatasse.  Edson disse que o rapaz se identificou pelo nome do parente e disse que havia sofrido um acidente próximo a Goiânia, e que precisava de R$ 900 para completar os R$ 1.7 mil que ficou o conserto do veículo que dirigia.

O agente funerário disse que havia acreditado inicialmente na história, e nem chegou a desconfiar de nada. Edson foi até sua casa e comunicou o fato à esposa, que o alertou. “Quando falei o que tinha acontecido ela ligou para a mãe dele no Pará, ela então disse que não estavam viajando, e que o filho, no momento da ligação, estava a caminho do trabalho”, relatou o agente funerário.

Ele conseguiu falar com o parente verdadeiro e esclareceu os fatos. Mesmo sabendo que se tratava de um golpe, Edson ainda entrou em contato com a pessoa que tentou lhe tomar dinheiro. Durante a conversa o homem do outro lado da linha começou a revelar que se tratava de uma armação. “Ele disse que estava em uma cidade próximo a Goiânia com toda a família, e logo em seguida disse que estava em Cacoal, tentando corrigir a informação. Foi quando fiquei irritado e perguntei de qual presídio ele estava falando, foi quando desligou o telefone”, conta.

Edson contou que procurou a polícia para relatar o caso, porém não conseguiu registrar um Boletim de Ocorrência (BO). Ele contou que o policial que lhe atendeu disse que pelo fato de ele não ter depositado o dinheiro não havia necessidade de registro da ocorrência. Perguntado se sabia como o golpista teve acesso a tantas informações sobre sua família, Edson diz que desconfia que ele as conseguiu através do site de relacionamentos Facebook.

O número utilizado pelos vigaristas para a tentativa de golpe é o (62) 8221-2736, e o banco utilizado é a Caixa Econômica Federal.

Texto: Extra de Rondônia

Foto: Extra de Rondônia

aftosa 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO