Vários policiais estiveram no local para dispersar os manifestantes
Vários policiais estiveram no local para dispersarem os manifestantes

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) do município de Vilhena retirou na manhã desta sexta-feira, 6 de fevereiro, todos os caminhoneiros que estavam realizando uma manifestação na BR-364, na rotatória que liga a rodovia federal ao restante das cidades que compõem o Cone Sul do estado (exceto Vilhena e Chupinguaia). O movimento começou no final da tarde desta quinta-feira, 5, e é direcionado apenas aos caminhoneiros que transportam soja.

O grupo reivindica manifestação do Governo Federal com relação ao reajuste do preço do óleo Diesel, que está sendo comercializado em Vilhena a partir de R$ 3 o litro. Os manifestantes perderam a legitimidade do movimento porque agrediram o caminhoneiro Genival Nunes, que furou o bloqueio, foi perseguido, alcançado, e teve parte da sua carga jogada no asfalto porque os manifestantes abriram o tombador da carreta, o que facilitou a escoação da soja.

Um grupo de policiais foi até o local, pediu que os caminhoneiros se retirassem da rotatória e iniciaram uma investigação para saber mais detalhes a respeito da agressão, que foi será investigada pela Polícia Federal (PF). O inspetor da Polícia Rodoviária Federal, João Lobato, esteve no local da manifestação e disse que o movimento era composto por cerca de 50 caminhoneiros. “Eles podem manifestar tranquilamente, mas sem interferir no bom andamento do tráfego de veículos, e também sem intervir no direito de ir e vir das pessoas”, relatou o representante da PRF.

Motoristas que ainda estavam no local relataram à equipe de reportagem do Extra de Rondônia que a manifestação irá continuar normalmente, porém próximo à última rotatória da cidade, sentido Cuiabá (MT). “Eles terão que ficar fora da pista”, advertiu o inspetor João Lobato.

A voz dos manifestantes no município de Vilhena, o empresário Marreta (ele não fala seu nome de batismo) conversou com repórteres desta página eletrônica que estão cobrindo a manifestação do outro lado da cidade, onde está sendo realizada a nova concentração, sentido Cuiabá. Ele relatou que o frete oferecido para o transporte está sem reajuste há três anos, enquanto o combustível vem aumentando gradativamente.

Segundo ele a classe não tem mais como trabalhar. “Nosso custo operacional se tornou fatal. Não tem como comprar por dez e vender por oito. Essa conta nunca vai fechar”, relata.

À ESPERA DOS LAVOREIROS

Marreta relatou, ainda, que os caminhoneiros estão à espera dos lavoreiros para dar mais força ao movimento. “Nós os ajudamos na manifestação deles, e agora esperamos a força da classe”, relatou.

DIVISÃO DE MANIFESTAÇÃO

Ainda segundo o representante da classe, o problema que ocorreu na rotatória que liga a BR-364 ao município de Colorado do Oeste foi uma situação à parte. Marreta relata que o movimento é contra qualquer tipo de paralisação de rodovia e emprego de violência. “Mas sempre tem alguns exaltados no meio”, justifica.

Veja mais sobre o assunto através dos links

http://www.extraderondonia.com.br/2015/02/05/caminhoneiro-nao-adere-a-movimento-e-manifestantes-tombam-carga/

 

http://www.extraderondonia.com.br/2015/02/05/diesel-em-protesto-caminhoneiros-bloqueiam-rodovia-de-acessos-a-vilhena/

 

http://www.extraderondonia.com.br/2015/02/04/alta-do-combustivel-pode-resultar-em-paralisacao-de-caminhoes-em-ro/

 

os patrulheiros passaram boa parte da manhã no local
os patrulheiros passaram boa parte da manhã no local

Texto: Extra de Rondônia

Foto: Extra de Rondônia

sicoob credisul
vacina 728×90

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO