Caetano Neto, advogado
Caetano Neto, advogado

Muito além do jardim, nome de um filme da década passada relata a vida de um homem simples e que passava o dia todo assistindo televisão. Não perdia um filme, um noticiário e nas suas poucas idas aos locais públicos, comentava os assuntos da TV como se testemunha fosse dos acontecimentos. Parecia ter ele presenciado os fatos, se mostrava como grande conhecedor.

Suas observações e considerações sobre economia, educação, fatos variados impressionava as pessoas que já o intitulava como pessoa de grande sabedoria, chegando a ser convidado a trilhar pelos caminhos da política na cidade. Quando convidado, eis a grande surpresa, era analfabeto. Não sabia ler e escrever. Moral da história do filme. As pessoas vivem cercado por um jardim, não sai dele, não buscam conhecer a vida além dele, sendo assim, ficam presas na “verdade” na “versão”, na “edição” naquilo que foi veiculado. Não consegue ver além do jardim.

Assim produz a mídia e neste roteiro, o efetivo  controle das pessoas. Evitar o raciocínio próprio, crítico, construtivo e longe do show, espetáculo, diversão que toma conta da TV e contamina  jornais impressos, folhetos, rádios, jornais eletrônicos, enfim, transforma a mídia em promiscuidade com anuência do poder público, judiciário e órgãos reguladores e ao final transforma o cidadão em analfabeto preso a seu jardim.

Da mesma maneira que médicos estão comprometidos pelo juramento de Hipócrates a salvar vidas, embora hoje, o financeiro esta a frente do atendimento,  os jornalistas tem por ética profissional de dizer a verdade, como os fatos se apresentam. Nada de mesclar, alterar, repaginar, dar nova versão, pois agindo assim, fazem parte do rol dos jornalistas “canalhas”, de nada serve sua crônica, seu artigo, seus comentários.

Há uma falência moral quando se trata de oferecer respostas aos problemas mais simples que dirá dos complexos  da humanidade, e ainda, o atual sistema, do Iapoque ao Chuí,  multipla os esquemas de corrupção e este maldito câncer público e privado, que condena a escola do seu filho ao mais vergonhoso índice de baixa qualidade, o posto de saúde que poderia salvar seu pai, sua mãe, o cidadão que ao circular teria a garantia da segurança, a atividade pública teria eficácia, as instituições seriam voltadas para o povo e não como hoje, voltadas “per si”, mas não, a mídia se curva a promiscuidade com o poder e se agrada de manter seus interesses acima de sua missão maior que é de promover a verdade objetiva.

Contudo, preferem a relação promíscua mesmo as custas de manter o povo  no  jardim, criando o analfabeto, mas o que importa é o show, a diversão o espetáculo, afinal,  estes acabam sempre recebendo o título de possuírem  grande sabedoria. Feliz dia 07 de abril – Dia do Jornalista.

Caetano Neto  – Advogado

Presidente da Associação de Defesa dos Direitos da Cidadania – ADDC

 

Texto: Caetano Neto

Foto: Divulgação

sicoob credisul
vacina 728×90

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO