Acidente aconteceu próximo ao Balneário Piracolino / Foto: Extra de Rondônia

O ônibus de transporte escolar que tombou no dia 8 de março com alunos da rede municipal de ensino dentro não se acidentou por causa de falha mecânica (leia AQUI)

A conclusão é do relatório oficial da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Vilhena, responsável pelo laudo técnico da perícia no local do acidente, na BR-364, no km 20, sentido Porto Velho.

Segundo o perito da PRF, não havia falha mecânica e nenhuma avaria na suspensão, eixos, freios e outras partes do ônibus que pudesse causar a perda de direção do ônibus. O laudo mostra também o relato oficial do motorista, que diz não saber a causa do acidente.

O documento mostra o trajeto que o ônibus fez ao sair da pista, enquanto trafegava por pista escorregadia em declive, molhada por chuviscos, a 60 km/h.

Sobre o ocorrido, o boletim diz que os rastros pneumáticos deixados no asfalto deixam claro que o veículo trafegava normalmente e realizou movimentos curvilíneos em S e saiu da pista, vindo a tombar e sofrer pequenos danos externos na lataria, para-choques e para-brisa.

Trajeto que o ônibus fez ao sair da pista, enquanto trafegava por pista escorregadia em declive / Foto: Extra de Rondônia

Visto que o local da queda do veículo era de terra fofa e vegetação alta, o impacto foi amortecido. O laudo garante que havia 55 alunos dentro do veículo e que, apesar de os cintos de segurança estarem em perfeito estado, nenhuma das vítimas estava usando o equipamento. Com capacidade para 45 passageiros, o ônibus carregava 27 alunos do município, 27 do Estado, um do IFRO e uma mãe de carona.

ALUNOS FERIDOS E COM ESCORIAÇÕES

A responsabilidade pela quantidade de alunos e pelas orientações de comportamento das crianças dentro dos veículos é do monitor e do motorista, ambos empregados da empresa terceirizada, vencedora de licitação, que presta serviços à Prefeitura. No relato da perícia, houve sete alunos com escoriações leves. Os feridos foram menores de 13, 14 e 16 anos, todos moradores da zona rural.

Fabricado em 2005, o veículo está dentro da norma atual do município, de ter até 20 anos de fabricação para poder circular. Desde o ano passado, porém, é discutida na Secretaria Municipal de Educação e na Câmara de Vereadores a aprovação de uma lei que reduza a idade máxima para 16 anos destes veículos, com reduções paulatinas nos anos seguintes até chegar ao número de 10 anos.

No relato da perícia, houve sete alunos com escoriações leves. Os feridos foram menores / Foto: Extra de Rondônia

Apesar de os feridos não usarem cinto, o motorista e a monitora usavam e, por isso, o condutor são ileso e a monitora teve pequenas lesões. O motorista também não apresentou indícios de embriaguez e estava com documentação em dia.

EMPRESA NOTIFICADA

A Secretaria Municipal de Educação trabalha na aprovação da lei que irá aumentar as exigências sobre as empresas de transporte escolar, serviço que historicamente dá dores de cabeça aos pais e alunos. A Vilhena Transportes, proprietária do veículo, foi notificada  e é acompanhada de perto, inclusive com obrigação de ministrar cursos de padronização de procedimentos aos seus funcionários.

Para normalizar o transporte de alunos na região foi feita alteração em rota de veículos e alguns alunos mudaram de turno na escola até que o aditivo de transporte seja realizado, o que deve acontecer em breve.


COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO