Queimada 728×90
A charge desta semana retrata a explicação do ministro da Educação / Foto: Extra de Rondônia

VEÍCULO OFICIAL DE CEREJEIRAS

Perguntar não ofende: o que fazia um veículo oficial S-10, de placa NDT-9411, pertencente à Secretaria Municipal de Cerejeiras, por volta das 22h da última quinta-feira, 16, estacionado em frente à faculdade Avec, em Vilhena? Será que esperava um paciente? Com a palavra, os gestores públicos desse município.

COMITIVA

O prefeito Eduardo Japonês (PV) enviou à Câmara de Vilhena, o projeto de lei 5.638/2019, que dispõe a autorização de R$ 17.075,00 para pagamento de diárias e aquisição de passagens na locomoção de servidores e conselheiros para participarem de encontro técnico do Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS), nos dias 29 e 30 de maio, em Brasília. O projeto só foi lido, mas não explicou a quantidade de servidores e nem o que isto representa de positivo para o município de Vilhena. Na campanha eleitoral Japonês disse que “Dinheiro tem, o que falta é gestão”. Meses depois, mudou o discurso, alegando que “Não tem dinheiro, mas tem gestão”. O projeto acima, porém, traz uma realidade: “Dinheiro tem”, já gestão…

E CONTINUA A POLÊMICA

A polêmica das faixas elevadas construídas e depois paralisadas continua dando pano prá manga em Vilhena. Na última sessão legislativa, a vereadora Valdete Savaris apresentou requerimento, o qual foi aprovado por unanimidade em plenário. Ela requereu informações de quando foi gasto na construção de cinco faixas elevadas e se estão dentro dos padrões, conforme o Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Ela questionou a garantia dos serviços prestados e quais serão as medidas adotadas pelo Município para ressarcir os prejuízos aos cofres públicos.

E CONTINUA A POLÊMICA II

A obra, que iniciou em abril de 2018 e deveria concluir em setembro do mesmo ano, previa a instalação em quase 20 pontos da cidade no valor total de R$ 544 mil (leia AQUI). O Executivo tem 10 dias de prazo para responder.

E CONTINUA A POLÊMICA III

Enquanto isto não é resolvido, a prefeitura de Vilhena iniciou a instalação de 11 redutores de velocidade em várias ruas e avenidas. O prefeito chegou a dizer que “as lombadas dão mais segurança aos pedestres, motociclistas e condutores de carros, visto que em baixa velocidade a chance de um acidente acontecer é bem menor”. Porque, então, não desemperra o problema das faixas elevadas? Pensamento contraditório, não acham…?

JOÃO LUIZ

A policlínica João Luiz da Silva, localizada na avenida Capitão Castro, passará por um processo de reforma de sua estrutura física. Projeto neste sentido foi aprovado na última sessão ordinária na Câmara de Vilhena. Por unanimidade, R$ 500 mil foram destinados para a obra, através de recursos do Termo de Cooperação firmado com a empresa Santo Antônio Energia S/A.

CORUMBIARA

Corumbiara virou palco de discussões nesta semana devido ao suposto aumento de até 300% do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU). Num vídeo, o madeireiro Adeniva Marcon, conhecido popularmente como “Boy da Serraria”, esculhambou o prefeito Laércio Marchini (PDT). Chamou-o de tudo e um pouco mais, com direito a citação de palavras “populares”. Disse que seu imposto pulou de R$ 1.900,00, em 2018, para R$ 6.900,00 em 2019 (leia AQUI). Com a polêmica no ar, Marchini foi obrigado a se manifestar e tentar apagar o fogo. Negou o aumento do imposto e repudiou os supostos ataques que – para ele – vêm de pessoas desinformadas ou politicamente interessadas em se beneficiar do episódio.

CORUMBIARA II

O certo é que a situação não está fácil para o prefeito corumbiarense, acusado também de tentar usar dinheiro público na construção de um portal na entrada da cidade (leia AQUI), enquanto setores prioritários, como a saúde e educação, passam necessidades nesse município. Vai vendo!

CORUMBIARA III

Enquanto isso, os vereadores de Corumbiara nem se manifestam. O artigo 2 da Constituição Federal estabelece que os poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, são harmônicos, mas independentes. Isto significa que os vereadores não pode ser submissos com os supostos desmandos do prefeito. A população reclama que os parlamentares simplesmente fecharam “o bico” e dizem “sim”, sem justificativas, a tudo que o prefeito pede. Se é assim, a revolta da população está correta. A comunidade está sem representantes.

E EM CHUPINGUAIA…

Por estas bandas, parece que a farra de diárias está rolando solta. Conforme o portal da transparência, até este sábado, 17, foram exatos R$ 70.925,00 (setenta mil e novecentos e vinte e cinco reais) de gastos em diárias dos vereadores. Ou seja, uma média de R$ 17 mil mensal desde fevereiro, mês que iniciaram as atividades legislativas oficialmente. Em 2018, a Câmara de Chupinguaia foi a que mais gastos diárias entre os sete municípios do Cone Sul de Rondônia, com 220 mil saindo dos cofres públicos, uma média de R$ 20 mil por mês (leia AQUI).

CONTINGENCIAMENTO

A charge desta semana retrata a explicação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que usou chocolates para explicar didaticamente o contingenciamento de 30% dos recursos destinados a universidades federais, anunciado na semana passada. Weintraub, no entanto, errou a conta ao fazer sua explanação e indicou que deveriam ser “segurados” – e não “cortados”, como diz – apenas 3,5% do montante reservado às instituições de ensino superior (leia mais AQUI).

A charge desta semana retrata a explicação do ministro da Educação / Foto: Extra de Rondônia

CEMITÉRIO

Esta semana, o empresário Nino Gouveia fez uma bombástica e grave denúncia. Disse que está sendo perseguido por autoridades municipais que querem implantar um cemitério particular em Vilhena. Ele é contra e anunciou que em Vilhena existem área públicas onde pode se construir o empreendimento. Dá pra perceber que este caso vai parar na polícia (leia mais AQUI).

DOAÇÃO DE CARRO

A Câmara de Vilhena analisa a possibilidade de doação de um carro oficial. Uma comissão especial foi formada pelo presidente Ronildo Macedo (PV), através da portaria 088/2019. No procedimento, Macedo informa que o veículo Parati foi adquirido em 24 de novembro de 2008 e não atende mais as necessidades do Legislativo. A comissão tem prazo de 60 dias para a apresentação do relatório.

segurança – 468×60