Queimada 728×90

 

Operação teve inicio nesta segunda-feira / Foto: Ilustrativa

A Polícia Federal iniciou a deflagração simultânea de duas operações policiais na manhã desta segunda-feira 17. A ação foi denominada “SOS Karipuna”, com o objetivo de desarticular organizações criminosas instaladas na região da Terra Indígena Karipuna, com ponto central de atuação no distrito de União Bandeirantes, em Porto Velho.

Os trabalhos são frutos de ações conjuntas com o Ministério Público Federal do Estado de Rondônia, através da Força Tarefa Amazônia, e com o Exército Brasileiro, em decorrência da operação “Ajuricaba V”, contando com o apoio essencial do Ibama, Funai, Polícia Militar Ambiental/RO, Força Nacional de Segurança Pública, CENSIPAM e Receita Federal. Ações de fiscalização ambiental e assistência social também integram as operações supra citadas.

A Karipuna é formada por uma área de proteção federal de 153 mil hectares, homologada em 1998, onde vivem cerca de cinco famílias remanescentes daquela etnia, totalizando aproximados de 35 (trinta e cinco) silvícolas. Está localizada na porção noroeste do Estado de Rondônia, dentro da faixa de fronteira, abrangendo os municípios de Porto Velho e Nova Mamoré.

Nos últimos anos, a região vem sofrendo com intensa atuação criminosa de madeireiros e grileiros, sendo constatado que 11 mil hectares já foram desvastados em razão da atuação dos invasores.

Em uma das operações, na qual se investiga o loteamento e comercialização ilegal de glebas no interior do local, popularmente conhecida por “grilagem de terras”, estão sendo cumpridos quatro mandados de prisão temporária, cinco de prisão preventiva, 15 mandados de busca e apreensão, além de outras 22 medidas constritivas como quebras de sigilo bancário, suspensão das atividades e lacração de estabelecimentos, e sequestro de bens dos investigados até o valor de R$ 46.096.433,30.

Nesta investigação restou demonstrado que um grupo se utilizava de uma associação e uma empresa de georeferenciamento para iludir supostos compradores de lotes no interior da região, com a falsa promessa de regularização dos terrenos junto aos órgãos responsáveis.

Os investigados responderão, na medida de sua participação, pelos crimes de estelionato , incitação ao crime , invasão de terras da União, desmatamento ilegal, bem como constituição e participação em organização criminosa, podendo ser condenados a penas superiores a 21 anos de reclusão.

Na segunda operação, na qual se investiga esquema ilegal de obtenção de créditos virtuais para a comercialização de madeira extraída da Karipuna através do sistema de emissão de documento de origem florestal, estão sendo cumpridos seis mandados de prisão preventiva e 21 mandados de busca e apreensão.

Dentre as diversas falsidades apuradas, constatou-se a sub-exploração dos Planos de Manejo, em especial aqueles homologados nas divisas de terras indígenas e de unidades de conservação, ou muito próximos a elas.

Simplificadamente, as fraudes no sistema têm por objetivo principal “esquentar” créditos de produtos florestais, situação lhe dará o aspecto de regularidade, muito embora se tenha comprovado que as madeiras comercializadas tenham sido retiradas ilegalmente do interior do local, mediante a inserção de dados falsos no sistema do Ibama.

Durante esta investigação, a Polícia Federal identificou a prática dos crimes de furto ilegal de madeira, estelionato, receptação, falsificação e uso de documento falso, diversos crimes ambientais, lavagem de dinheiro , crimes contra a ordem tributária , além da constituição de organização criminosa, cujas penas máximas ultrapassam 60 (sessenta) anos de prisão.

No total, serão cumpridos 15 mandados de prisão e 34 de busca e apreensão, em ao menos quatro municípios de Rondônia e um do Mato Grosso do Sul, expedidos pela 5ª Vara da Justiça Federal de Porto Velho.

As medida investigativas e judiciais também tem como objetivo coibir a continuidade do loteamento e desmatamento, procedendo a prisão de grileiros e madeireiros ilegais, a apreensão e destruição (quando necessário) de máquinas e equipamentos que operem ilegalmente na reserva indígena, além da fiscalização de estoques madeireiros dos estabelecimentos comerciais e neutralização da rede de comunicações clandestina.

Os presos, após interrogados, serão encaminhados para o sistema prisional estadual onde permanecerão à disposição da Justiça Federal.

segurança – 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO