Mauro Nazif / Foto: Divulgação

Na quinta-feira 28, o deputado Mauro Nazif utilizou a tribuna do Plenário da Câmara dos Deputados em Brasília para tratar do Projeto de Lei 3261/19, que fala sobre a privatização do setor de abastecimento de água e saneamento.

Durante sua fala, Nazif citou a privatização do setor elétrico e especificamente seu Estado, Rondônia, que teve o setor de energia privatizado permitindo a entrada da empresa Energisa.

“A Energisa deveria ter saído de lá, de Rondônia há muito tempo, a tarifa subiu mais de 100% a partir da entrada da empresa, com casos que chegam a 300% de aumento”, disse Nazif.

Quanto a privatização da água e saneamento, hoje os municípios podem ou não privatizar, é opcional. “Agora, querem privatizar no período de até 12 meses. Temos que nos perguntar o que significa privatizar a água? A privatização por si só já bota uma empresa para tomar conta daquele setor. A empresa que privatiza visa uma coisa só, lucro. Ora, se o que querem é lucro, vão entrar nos municípios maiores, onde se tem maior retorno, mas as pequenas localidades, onde o serviço é feito por programas sociais de empresas estatais, vão deixar de ter sua água”.

E por fim, reitera sua preocupação com relação ao aumento das tarifas e a perda da qualidade do serviço, como no caso do setor elétrico, através da Energisa em Rondônia.

“É um crime o que querem fazer, em um momento que se tem o congelamento do salário mínimo, as pessoas vão viver para pagar conta de água e luz, isso é muito cruel com a população! Semana que vem a matéria entra em pauta, precisamos nos unir para derrubar esse malefício que estão fazendo as pessoas do nosso país!”, conclui Mauro Nazif.


COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO