Estamos em guerra 728×90

 

Darci Thiele (tesoureiro) e Antonio Xavier Macedo (presidente) Associação Agrovila Renascer/Foto: Extra de Rondônia

O presidente da Associação dos Produtores da Agrovila Renascer, Antonio Xavier Macedo, a (direita), acompanhado pelo tesoureiro da entidade, Darci Thiele, estiveram na sede do Extra de Rondônia nesta quarta-feira, 4, para contestar denúncia feita ontem ao site por Hernandes Henrique da Silva Soares, que é filho de um dos associados acerca de problemas provocados pelo corte de energia do sistema que movimenta bomba d’água do complexo, leia (AQUI).

Eles garantem que não tem responsabilidade sobre a questão, que teria sido herdada da gestão anterior, e ainda disseram que o problema decorre pela inadimplência de vários associados, incluindo o pai do denunciante no grupo.

Antonio explicou que assumiu o comando da associação em setembro passado, quando o problema da falta de pagamento da conta de energia já existia. Desde então tem procurado os integrantes da entidade que estão inadimplentes com o rateio da conta, que seriam 17 dos 40 membros da associação, para arrecadar o dinheiro, porém muitos deles não estão pagando.

“Mesmo assim, conseguimos levantar recursos para quitar parte do débito e a energia será religada nas próximas horas, mas dentro de alguns dias teremos já a primeira parcela da negociação para pagar, e se os associados que estão em dívida não pagarem corremos o risco de ficar de novo sem energia”, informou o tesoureiro Darci.

Os dois dirigentes ficaram inconformados com a denúncia feita ao Extra de Rondônia, particularmente por ter partido de alguém da família de associado que está em dívida. “Estamos procurando resolver os problemas da agrovila, agregar os integrantes da associação para podermos avançar, e este tipo de ação só atrapalha”, disse o presidente.

Apesar de contar com suporte regimental para aplicar sanções aos inadimplentes, inclusive com a exclusão dos quadros da associação, os dirigentes afirmam que não querem tomar medidas deste gênero. “Queremos a conciliação e o estabelecimento pleno do trabalho cooperado, como foi planejado desde a fundação da agrovila. Pedimos encarecidamente para que tanto os associados, quanto as autoridades e a imprensa nos ajudem neste sentido, porque o bom desempenho deste projeto significa ocupação e renda para quarenta famílias, além da oferta de produtos de qualidade na mesa dos vilhenenses em geral”, destacaram os diretores.

Estamos em guerra 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO