Estamos em guerra 728×90
A Nova Lei entrou em vigor no dia 3 de janeiro de 2020 / Foto: ilustrativa

A nova lei estabelece critérios mais rígidos com relação a exposição de imagens e informações a respeito de presos, investigados, indiciados ou conduzidos por autoridades policiais, sob pena de prisão e outras sanções.

Ela vale para servidores que atuam em órgãos de Segurança Pública, mas acaba afetando também o trabalho da imprensa, que com as restrições passará a ser mais contido.

A Nova Lei de Abuso de Autoridade entrou em vigor no dia 3 de janeiro de 2020, e suas diretrizes estão causando controvérsias entre agentes de segurança dadas as dúvidas.

A partir das normas, a orientação que está sendo passada às unidades policiais é que não se permita a produção e divulgação de vídeos e fotos dos presos, mesmo que estejam de costas ou com efeitos que desfoquem a imagem.

É permitida apenas a divulgação de informações sem fotos, ou apenas com imagens de apreensões de objetos. As instâncias superiores orientam a não se permitir gravação de reportagens “de cunho sensacionalista”, mas não especifica o que pode ser considerado como tal.

Nas ocorrências policiais, a imprensa também ficará com seu trabalho restrito, pois a lei não é clara o suficiente para se compreender se jornalistas podem ou não registrar ações. Na dúvida, provavelmente as câmeras e microfones serão desligados. A lei determina que só pode ser divulgado o que deve ser considerado de interesse público, mas não está claro quais são os critérios que definem o termo.

Não se sabe ao certo se a imprensa poderá divulgar imagens e informações sobre procurados ou suspeitos de crimes hediondos, e na dúvida também deverá valer o princípio de resguardo, com agentes da lei buscando se preservar para não incorrer em crime.

Ou seja, ao tentar regrar um segmento que em tempos de redes sociais e praticamente cem por cento de conectividade é uma tarefa complexa, as pessoas que fazem as leis no país conseguiram complicar ainda mais as coisas, e em nome de uma suposta preservação de imagem pessoal da curiosidade pública podem ter gerado uma aberração que vai dar ainda mais trabalho a polícia e ao Judiciário, tornando o sistema pior do que já é.

 

>>> LEIA, ABAIXO, NOTA ENVIADA À IMPRENSA PELA POLÍCIA CIVIL DE RONDÔNIA:

 

“Em razão das Orientações Gerais sobre a Nova Lei de Abuso de Autoridade, elaborada pela Cogepol e publicada na Intranet da Polícia Civil, a DCM orienta que não sejam compartilhados ou divulgados vídeos e fotos de presos/investigados/indiciados/conduzidos, de qualquer espécie, ainda que estejam de costas ou que o rosto tenha o efeito ‘desfoque’.

 

A DCM fará a divulgação, nas redes sociais da Polícia Civil, de notícias sem fotos/vídeos de presos/investigados/indiciados/conduzidos (apenas texto) ou que contenham apenas fotos de apreensões.

Abaixo segue trecho das Orientações Gerais sobre a Nova lei de Abuso de Autoridade publicada na Intranet: ‘Orienta-se não permitir a gravação de reportagens ou imagens do preso/investigado/indiciado para programas de televisão, blogs, redes sociais e afins de cunho sensacionalista em que os presos são expostos, de qualquer modo, à execração pública nas dependências dos órgãos policiais ou fora deles em cumprimento de diligências. Por outro lado, orienta-se solicitar aos órgãos e profissionais da imprensa que não fotografem ou filmem a condução de presos/investigados/indiciados nos locais de busca ou prisão, bem como no órgão policial.’”.

 

Veja os artigos da lei de abuso de autoridade

 

Crimes punidos com detenção de seis meses a 2 anos

 

♦ Não comunicar prisão em flagrante ou temporária ao juiz

 

♦ Não comunicar prisão à família do preso

 

♦ Não entregar ao preso, em 24 horas, a nota de culpa (documento contendo o motivo da prisão, quem a efetuou e testemunhas)

 

♦ Prolongar prisão sem motivo, não executando o alvará de soltura ou desrespeitando o prazo legal

 

♦ Não se identificar como policial durante uma captura

 

♦ Não se identificar como policial durante um interrogatório

 

♦ Interrogar à noite (exceções: flagrante ou consentimento)

 

♦ Impedir encontro do preso com seu advogado

 

♦ Impedir que preso, réu ou investigado tenha seu advogado presente durante uma audiência e se comunique com ele

 

♦ Instaurar investigação de ação penal ou administrativa sem indício (exceção: investigação preliminar sumária devidamente justificada)

 

♦ Prestar informação falsa sobre investigação para prejudicar o investigado

 

♦ Procrastinar investigação ou procedimento de investigação

 

♦ Negar ao investigado acesso a documentos relativos a etapas vencidas da investigação

 

♦ Exigir informação ou cumprimento de obrigação formal sem amparo legal

 

♦ Usar cargo para se eximir de obrigação ou obter vantagem

 

♦ Pedir vista de processo judicial para retardar o seu andamento

 

♦ Atribuir culpa publicamente antes de formalizar uma acusação

 

Crimes punidos com detenção de um a quatro anos

 

♦ Decretar prisão fora das hipóteses legais

 

♦ Não relaxar prisão ilegal

 

♦ Não substituir prisão preventiva por outra medida cautelar, quando couber

 

♦ Não conceder liberdade provisória, quando couber

 

♦ Não deferir habeas corpus cabível

 

♦ Decretar a condução coercitiva sem intimação prévia

 

♦ Constranger um preso a se exibir para a curiosidade pública

 

♦ Constranger um preso a se submeter a situação vexatória

 

♦ Constranger o preso a produzir provas contra si ou contra outros

 

♦ Constranger a depor a pessoa que tem dever funcional de sigilo

 

♦ Insistir em interrogatório de quem optou por se manter calado

 

♦ Insistir em interrogatório de quem exigiu a presença de um advogado, enquanto não houver advogado presente

 

♦ Impedir ou retardar um pleito do preso à autoridade judiciária

 

♦ Manter presos de diferentes sexos na mesma cela

 

♦ Manter criança/adolescente em cela com maiores de idade

 

♦ Entrar ou permanecer em imóvel sem autorização judicial (exceções: flagrante e socorro)

 

♦ Coagir alguém a franquear acesso a um imóvel

 

♦ Cumprir mandado de busca e apreensão entre 21h e 5h

 

♦ Forjar flagrante

 

♦ Alterar cena de ocorrência

 

♦ Eximir-se de responsabilidade por excesso cometido em investigação

 

♦ Constranger um hospital a admitir uma pessoa já morta para alterar a hora ou o local do crime

 

♦ Obter prova por meio ilícito

 

♦ Usar prova mesmo tendo conhecimento de sua ilicitude

 

♦ Divulgar material gravado que não tenha relação com a investigação que o produziu, expondo a intimidade e/ou ferindo a honra do investigado

 

♦ Iniciar investigação contra pessoa sabidamente inocente

 

♦ Bloquear bens além do necessário para pagar dívidas

Estamos em guerra 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO