Estamos em guerra 728×90

 

Eliezer Gouveia/Estudante de medicina no Paraguai

Algumas pessoas questionaram-me com respeito a minha opinião sobre o discurso do Presidente da Republica Jair Messias Bolsonaro em rede nacional ontem, terça-feira dia 24 de Março.

Todo mundo sabe que sou apoiador do governo que aí está, embora algumas de suas ações tenham atingido de cheio algumas de minhas pretensões como voltar ao Brasil e atuar pelo antigo programa do Governo “Mais Médicos” assim que finalizar minha formação aqui no exterior. Mas esse fato isolado não faz com que eu pare de apoiá-lo, pois como brasileiro de sangue torço de maneira global pela melhoria de nosso país, ao contrário do que vinha acontecendo com os últimos “parasitas” que o governava.

O discurso de Bolsonaro realizado ontem tido por muitos apoiadores da ala esquerda como “Inadmissível e inconsequente”, também considero bastante inflamado e incomum nos termos de que víamos por desgovernos anteriores. Sim, muito inflamado, e inflamado de razão. Se o Brasil parar por mais de 20 a 30 dias o sistema financeiro irá colapsar, o Estado não poderá arcar com as despesas das remunerações seus servidores e as empresas clausuradas por decretos de seus governos irão falir ou simplesmente farão demissões em massa. E o raciocínio disso é muito lógico e a conta é simples, basta que você pense um pouquinho. A recessão financeira criará pânico nas pessoas em suas residências ficarão desabastecidas, a ponto de acontecer aquilo que já vem acontecendo em outros países como o vandalismo e roubo a estabelecimentos, uma verdadeira desordem pública.

Por falar em contas, elas não irão fechar em pouco tempo e não precisa ser economista para tirar essa conclusão. O governo Federal já enviou aos Estados e municípios quase 1 trilhão de Reais para combate ao COVID-19. A pergunta que fica é: de onde todo esse dinheiro esta saindo, e como será reposto e em quanto tempo? O Estado se endividará, e quem pagará por tudo isso está do lado da corda mais frágil, está nas extremidades, somos nós que ocupamos as classes C, D e E. Isso gerará um impacto enorme no dia a dia dos brasileiros, e tudo isso após enfrentarmos a pior crise financeira mundial e no comando pessoas que sequer tinham preocupações patriotas com o país. Imprimiam cédulas sem qualquer controle econômico, facilitavam créditos, geravam inflações e colocavam as pessoas presas aos Estados. Tudo isso acontecia de maneira sorrateira e planejada para que o sistema comunista pudesse ser implantado no país.

O que algumas pessoas não querem admitir (devido ao seu ego ideológico) é que o presidente de alguma maneira é coberto de razão. O vírus ou o famoso COVID-19, está sendo utilizado como ferramenta de propagação de histerias e pânicos na população. A gripe convencional mata milhares de pessoas anualmente (principalmente os adultos maiores >65 anos) apenas no Brasil (milhões a nível mundial) e a comoção para que haja uma prevenção é quase nula. A epidemia da dengue no Brasil já matou centenas de pessoas no país apenas nos três primeiros meses de 2.020, 57 óbitos apenas no Estado do Paraná (76 mil casos registrados no Estado – VEJA http://www.aen.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=106295&tit=Parana-registra-57-obitos-e-mais-de-76-mil-casos-por-dengue), e percebemos que a grande parte da imprensa não tem se preocupado em divulgar os dados.

Enfim, como diz o ditado: “É melhor prevenir de que remedir”, e de fato concordo que a prevenção deve existir em âmbito geral não apenas quando ocorrem as epidemias ou pandemias. Essa crise vai passar cedo ou mais tarde, a grande questão é que as pessoas vão voltar as suas atividades laborais corriqueiras e mais uma vez se esquecerão de manter acessa a chama que combate todo o tipo de disseminação patológica – A PREVENÇÃO. Que sejamos patriotas e sensatos.

Estamos em guerra 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO