Secretário de educação Willian Braga tenta explicar supostos crimes / Foto: Extra de Rondônia

O secretário municipal de educação (Semed), Willian Braga, utilizou a tribuna da Câmara de Vilhena, na manhã desta terça-feira, 5, para tentar explicar os supostos crimes administrativos na Semed referente a entrega de cestas básicas, feitas através de alimentos da merenda escolar e o uso indevido de carro oficial.

Em mais de duas horas, ele tentou responder os questionamentos feitos pelos parlamentares, mas, por várias vezes, foi chamado de mentiroso devido às incoerências de suas afirmações, o que motivou o choro na tribuna do Legislativo.

Willian foi convocado pelos vereadores na última sessão ordinária para explicar os procedimentos que motivaram a retirada de alimentos da merenda das escolas e a entrega das cestas a famílias do município.

O titular da Semed disse inicialmente que houve urgência na retirada da merenda das escolas em decorrências de roubos nas unidades, mas sem a assinatura de nenhum protocolo de retirada. Porém, garantiu que os diretores acompanharam os atos.

Os vereadores afirmaram que há uma lei que garante que todo o procedimento deve ter o acompanhamento do Conselho de Alimentação Escolar, o que não aconteceu.

“O senhor veio aqui para enganar essa Casa de Leis. Essa resposta não é plausível. Os diretores não tinham consciência o que tinha nas escolas”, rebateu Ronildo Macedo, presidente do Legislativo.

Com relação a entrega das cestas básicas feitas com os mesmos alimentos da merenda, Braga disse que atendeu, com urgência, três famílias que “estariam passando fome”.

Ele garantiu que foi, juntamente com a professora Vivian Repessold (ex-secretária municipal de educação), até a casa dos beneficiários para fazer a entrega, mas que não requereu um “recebido” deles. O pior de tudo é que Braga diz que não lembrava a data da entrega e garantiu que foram usados um veículo da Semed e outro particular.

Só depois que o caso chegou à Câmara de Vereadores é que o secretário determinou que uma equipe da Semed fosse até a casa dos beneficiários para assinar um documento que comprovasse que houve a entrega das cestas.

Durante a sessão, um áudio, que circulou nas redes sociais, foi transmitido a todos os presentes onde Braga responde a diretores que estavam preocupados com a investigação dos parlamentares. “Fiquem tranquilos que nós iremos construir uma resposta”, respondeu o secretário aos diretores.

Para o vereador Sami Ali, o áudio é uma prova de que a justificativa foi criada. “É inaceitável criar de benefício político em tempo de pandemia”, disse.

Ainda, na sessão, o secretário respondeu pelo uso indevido de um carro oficial para ir até a cidade de Rolim de Moura quando há uma normativa assinada pelo prefeito Eduardo Japonês de que só veículos do setor de saúde, e em casos de emergência, podem sair de Vilhena.

Braga afirmou que foi para Rolim de Moura para obter informações “necessárias” para o procedimento de entrega de cestas básicas.

Entretanto, foi desmentido pelos vereadores já que há testemunhas que garantem que o dia em que Braga diz que foi para Rolim, ele esteve na área rural de Vilhena.

“O senhor mente novamente. Não tem ninguém idiota neste plenário. É melhor o senhor falar a verdade”, avisou Macedo.

“Foi cometido um crime administrativo, já que há um decreto que proíbe a saída de veículos oficiais de Vilhena. Mas ainda não existe documentação que comprove que o secretário esteve em Rolim de Moura”, avaliou Samir.

Para o vereador Wilson Tabalipa, o secretário fez uso indevido do veículo oficial e, ainda, adulteração da quilometragem do carro.

O assessor jurídico da Câmara, Adenilson Magalhães, afirmou que as investigações continuam e que o caso será encaminhado ao Ministério Público e à Polícia Civil

 

sicoob credisul

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO