Estamos em guerra 728×90

 

Coluna escrita por Humberto Lago/Foto: Extra de Rondônia

Liderança é a arte de comandar pessoas, influenciando mentalidades e comportamentos. Liderar é guiar, ensinar e preparar pessoas.

O bom líder deve acompanhar e estimular o crescimento profissional dos liderados. O que fazemos costuma falar mais alto do que nossas palavras.

Na minha atividade profissional observo, com frequência, que na maioria das empresas existe um problema gerencial comum: deficiências na liderança. Tal problema está presente em todos os níveis hierárquicos, cuja baixa performance implica em resultados danosos às organizações.

Interessante notar que muitas firmas, mesmo sabendo disso, encontram dificuldades em resolvê-lo. A administração quer que tais pessoas mudem para melhor, mas não sabe como conseguir isso. Então as empresas resolvem conversar com esse colaborador; fazem uma avaliação de seu desempenho; identificam suas maiores deficiências; recomendações específicas são feitas a ele. Tudo isso em busca de uma nova postura. Porém tais pessoas não conseguem, mesmo assim, transformar seu comportamento e suas atitudes. E isso é muito triste.

Quando a gerência precisa fazer o acima citado, ela fica indecisa e insegura. Então surge a ideia de demissão. Entretanto, pensando bem: Ele já está conosco há vários anos; ele é um conhecedor de nosso negócio; anteriormente ele já foi um funcionário muito bom embora na atual função ele deixe a desejar… O que fazer para que ele mude, para que produza mais e erre menos; para que se relacione melhor com os colegas; enfim para que ele apenas execute o que consta na sua descrição de função?

Aparentemente a demissão de um funcionário medíocre parece ser uma solução simples, rápida e definitiva. Contudo, na prática ela pode criar um problema ainda maior… Então o chefe pondera: Um processo de contratação toma tempo; existem muitos riscos envolvidos; um funcionário novo costuma trazer seus vícios; vai ter que aprender muito antes de se tornar produtivo…

Numa empresa local existe um supervisor assim. Já lhe foram dadas duas oportunidades. Agora é a terceira e última chance. Criou-se um clima de ansiedade; há uma significativa possibilidade de que não vai dar certo.

Conclusão: Bom supervisor é aquele que desenvolve indivíduos, que lhes mostra como melhorar seu desempenho, que os ajuda a compatibilizar as metas da empresa com suas habilidades pessoais.

Estamos em guerra 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO