Estamos em guerra 728×90
Secretária Zenilda, vereador “Kiko” e prefeita Lisete Marth / Foto: Divulgação

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Rondônia (Sintero), regional do Cone Sul, emitiu nota de Repúdio contra a aprovação do Projeto de Lei nº 56/2020, ocorrido na última segunda-feira, 8, na sessão na Câmara de Cerejeiras, que determina a revogação da Gratificação pelo incentivo ao Ensino Fundamental e suspensão temporária da Gratificação pelo incentivo do Ensino Especial aos professores desse município.

De acordo com a nota, o projeto, solicitado pela prefeita Lisete Marth e a secretária municipal de educação, Zenilda Teresinha Mendes da Silva, foi aprovado em plenário, com o voto de minerva (que decide a votação) do vereador Valdecir Atílio “Kiko”, que, na ocasião, substitui o presidente da Casa, Gabriel Candido, ausente na sessão.

O Sindicato manifestou a total reprovação ao comportamento da Administração Municipal, que “em vez de penalizar os servidores, deveria valorizá-los” e pediu a anulação da votação que aprovou o projeto “por entender que tais ações são injustificáveis e incabíveis”.

Ainda não há informações oficiais das ausências questionáveis à sessão dos vereadores Gabriel Cândido e Zeca Rolista, que, por força de decreto devido à pandemia, não devem sair do município.

Na sessão foram contra o projeto (ou seja, pela manutenção da gratificação): Valdecir Sapata, DJ Samuca e Saulo Siqueira.

Já a favor, para retirada da gratificação, foram, além de “Kiko”, professor José Carlos, Ifraim Zigue e Isair Baldin.

 

>> LEIA, ABAIXO, A NOTA NA ÍNTEGRA DO SINDICATO:

 

O Sintero- Regional Cone Sul vem a público manifestar repúdio diante do Projeto de Lei nº 56/2020, que determina a revogação da Gratificação pelo incentivo ao Ensino Fundamental e suspensão temporária da Gratificação pelo incentivo do Ensino Especial aos professores de Cerejeiras.

Tal atitude foi aprovada nesta segunda-feira (08/06), pela Câmara Municipal do Município, a partir da solicitação da prefeita Lisete Marth e da Secretária Municipal de Educação Zenilda Teresinha Mendes da Silva, sob a justificativa da necessidade de contingenciamento das despesas durante a pandemia, da perda de arrecadação municipal, que ocasionou a queda nos recursos do Fundeb e pelo fato das aulas presenciais estarem suspensas.

A votação teve empate de 3 votos a favor e 3 contra. Na oportunidade, o presidente da Câmara Municipal estava ausente e o vice-presidente que assumiu a sessão, vereador Valdecir Atílio (Kiko), decidiu a questão, sendo favorável aos cortes

A Direção do Sintero – Regional Cone Sul pede a anulação da votação, por entender que tais ações são injustificáveis e incabíveis, uma vez que os professores e professoras continuam trabalhando, por meio de home office, mesmo em meio à pandemia da Covid-19, cumprindo assim com suas obrigações e atuando para ofertar uma Educação de qualidade aos estudantes da Rede Municipal de Cerejeiras.

O Sintero manifesta total reprovação ao comportamento da Administração Municipal, que em vez de penalizar os servidores, deveria valorizá-los e buscar meios para minimizar os impactos aos estudantes de baixa renda, que não estão tendo acesso às aulas virtuais, por não obter os recursos tecnológicos necessários.

Em um momento de enfrentamento à pandemia, em que milhões de trabalhadores (as) necessitam de recursos financeiros para proteger suas famílias, tais iniciativas são inaceitáveis! Os professores e professoras de Cerejeiras pedem respeito e a imediata anulação do corte e suspensão das gratificações (leia mais AQUI).

Estamos em guerra 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO