Estamos em guerra 728×90

 

Mauro Nazif durante discurso / Foto: Divulgação

O deputado federal Mauro Nazif (PSB – RO), disse que é uma “aberração” e criticou o governador Marcos Rocha, pela decisão de descontar 6% referente ao auxílio transporte dos servidores públicos e a Procuradoria Geral do Estado de Rondônia (PGE/RO) pela orientação que emitiu.

O decreto do governo de nº 4451/89, e leis complementares que se seguiram, tratam desta matéria desde 1989, e agora, após trinta e um anos veio a ser questionada pelo executivo estadual através da (PGE/RO), e faz com que o servidor público tenha desconto de 6% sobre o seu vencimento básico.

“É muito triste isso que está acontecendo, depois de 31 anos, ver um governador fazer uma ação dessa, em um momento difícil como esse, em que estamos lidando com a pandemia do coronavírus. Temos dificuldades financeiras enormes, pois muitos familiares desses servidores foram demitidos de seus empregos e com isso, acabam por sobrecarregar o orçamento familiar. Se o Estado tem esse entendimento, que é diferente do nosso, de que o Decreto nº 4451/89, apresenta pontos que possam ser questionados e quisesse resolver, era só fazer um novo decreto mudando a redação e não estaria ocasionando todo esse transtorno e prejuízo ao servidor público. Infelizmente vejo, mais uma vez, que a orientação da PGE/RO é só de dizer não, e nada de propositivo, e o pior é o governador Marcos Rocha nada fazer para não prejudicar o servidor público”, disse Nazif.

“Entendo que as entidades sindicais devam se unir e cobrar do governo do Estado o não desconto dos 6% e podem contar comigo nessa luta”, concluiu Mauro Nazif.

Estamos em guerra 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO