Estamos em guerra 728×90

 

Anderson Santos da Conceição / Foto: Divulgação

O farmacêutico Anderson Santos da Conceição, de 31 anos, acaba de lançar o livro “Missão Rondônia, o mistério da Aldeia Cabixi” que conta a história do jovem Thomas que decide voltar ao Brasil para descobrir a verdadeira razão da morte do pai, o missionário americano Adam Silverstone, e no desenrolar da história se depara com o misterioso desaparecimento de jovens índias.

Natural de Poá (SP) e morando atualmente em Mogi das Cruzes (SP), o escritor conta que sempre teve envolvimento com a leitura e escrita, produzindo desde os 11 anos poemas e músicas. “Como sempre me interessei pelo universo indígena, resolvi escrever sobre o assunto e com o roteiro em mente, levei cerca de sete meses para finalizar a obra”.

Segundo Anderson, o livro aborda temas fortes e atuais como charlatanismo, corrupção, cultura indígena e tráfico de pessoas. “A história nos leva a refletir sobre assuntos não muito distantes de acontecer em nosso país”.

Sobre o processo criativo, o escritor detalha o cenário deveria ser de uma tribo indígena, porém queria utilizar uma que fosse extinta. Após pesquisas, Anderson descobriu a aldeia Cabixi, que deu origem à cidade.

Em relação ao enredo, o paulista enfatiza que os leitores encontrarão personagens fortes e com ideais bem definidos. “Tentei deixá-los bem próximo da realidade, isto é, até os maus possuem nuances de bondade, porém são vencidos pela tentação do poder e do dinheiro”.

O escritor finaliza pontuando que seus leitores encontrarão constantes reviravoltas e romance. Para conhecer o trabalho de Anderson basta acessar o link (Clique aqui) e adquirir um exemplar.

“Missão Rondônia, o mistério da Aldeia Cabixi” / Foto: Divulgação
Estamos em guerra 468×60

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO