Imagem publicada na página da escola municipal Tenente Melo / Foto: Divulgação

As páginas oficiais de duas escolas municipais, no Facebook, foram utilizadas num suposto crime eleitoral em Vilhena.

O caso despertou curiosidade da reportagem após divulgação de imagens do prefeito e uma candidata a vereadora em grupos de WhatsApp na manhã desta sexta-feira, 25, o qual são vedadas pela legislação eleitoral.

A reportagem do Extra de Rondônia conferiu e constatou que as publicações não possuem caráter educativo, informativo ou de orientação social e sim de autopromoção eleitoral.

Em sua página oficial do Facebook, em 17 de setembro, a escola municipal Tenente Melo divulgou a foto do prefeito Eduardo Japonês (que tenta à reeleição) e de sua candidata a vice-prefeita.

Em outra página no Facebook, a escola municipal Martin Lutero publicou a foto e qualidades de uma candidata a vereadora.

ASSESSORIA E DIRETORA EXPLICAM

Ouvida pelo site, a assessoria de imprensa informou que, desde o dia 14 de agosto, a prefeitura com orientação da Procuradoria do Município, enviou documentos a todas as secretárias e autarquias explicando sobre os cuidados na divulgação de conteúdos neste período eleitoral.

Argumentou que, no mesmo dia, a Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) desativou todas as páginas oficiais do município que tratam de assuntos institucionais.

Imagem de candidata a vereadora foi publicada na página da escola Martim Luero / Foto: Divulgação

No entanto, algumas escolas, por inciativa de seus diretores e até de professores, criaram canais próprios, que são perfis, e têm acesso por senha. Nesse caso, quem administra é o diretor ou professores, mas não fazem parte da comunicação institucional oficial da prefeitura.

“Nós não temos controle e não sabemos se estão em atividade. Mas a orientação foi dada. A Semcom tem o maior cuidado possível para a comunicação seja informativa e de utilidade pública. Após o fato, foi determinado a desativação de todos esses perfis, porque não é essa a intenção da prefeitura, nem do prefeito e nem do secretário, de utilizar nada que seja público para divulgar nada. Não foi orientado e nem autorizado”, disse a assessoria.

Ouvida pelo Extra de Rondônia, Cidineia Salviano Martins, diretora da escola Martim Lutero, disse que, na verdade, aconteceu um equívoco. Afirmou que acessou o Facebook da escola do seu próprio celular e publicou o vídeo de um aluno. Passado algum tempo, ela publicou uma nova imagem na página, mas esqueceu que estava no perfil da escola.

“Compartilhei a imagem sem maldade nenhuma, sabendo que isso é proibido. Tenho todos os cuidados. Mas hoje aconteceu essa situação, mas não tive a intenção de fazer isso. Não percebi”, argumentou.

O site também mandou mensagem e ligou no celular da diretora da escola Tenente Melo, mas não respondeu e nem atendeu às chamadas.

sicoob credisul

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO