Prefeito Fúria e a ex-prefeita Maria Simões / Foto: Extra de Rondônia

Através das redes sociais, a ex-prefeita Maria Simões, que comandou interinamente o município de Cacoal nos últimos meses de 2020, se manifestou a respeito de um comentário feito pelo vereador Paulo Henrique (PTB), com relação ao polêmico sorteio das casas populares do Residencial “Cidade Verde” (leia mais AQUI).

O assunto em comento foi o encaminhamento, ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), em Brasília (DF), do ofício de reconsideração do sorteio assinado por 11 dos 12 vereadores desse município. Conforme o secretário do MDR, Fúria seria o único a ter competência para encaminhar o documento o que, conforme Paulo Henrique, até agora não aconteceu.

“Ocorre que até hoje, 21 de maio de 2021, o prefeito não atendeu à solicitação da Câmara e não encaminhou ao MDR. É lamentável e falta de respeito com a população e com a Câmara Municipal. Não se sabe se é por falta de vontade ou por orientação de sua procuradoria ou porque secretária de ação social ainda não deu o ‘ok’ para tomar tal medida. Quem perde com isso é a sociedade e as famílias que sonham com casa própria”, comentou o parlamentar num grupo formado por famílias que seriam beneficiadas com as casas populares.

Na sequência, Maria Simões comentou o caso. “Pois é, Paulo, eu tinha 99,9% de certeza que ele (o prefeito) não tinha encaminhado ao MDR esse documento. E por isso que estou pedindo: ‘gente, cobra dele, cobra dele’, porque tinha quase certeza que ele fez vocês, vereadores, de bobos. Imagina fazer um documento daquele, com todos os vereadores assinando, e ele não encaminhar? Gente, a Câmara, realmente, ficou sem poder, mesmo”, desabafou.

A demora em resolver a polêmica das casas populares ganha repercussão negativa e, aparentemente, a questão está longe em ser resolvida.

>>> OUÇA O ÁUDIO ABAIXO:

 

 

 

sicoob credisul
vacina 728×90

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO