TL negou recurso de apelação / Foto: ilustrativa

A 1ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça de Rondônia negou, por unanimidade, na sessão desta quinta-feira (10), um recurso de apelação criminal interposto por um ex-funcionário do Banco do Brasil (BB), no Município de Presidente Médici, condenado pelo crime de concussão, ato de um servidor público exigir vantagem indevida.

Os crimes ocorreram entre 2013 e 2014, quando o então servidor exigiu pagamentos de vários clientes para a liberação de financiamentos de crédito rural do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura (Pronaf).

Quatro vítimas narraram que o servidor garantia que os pagamentos (propina) iriam acelerar a liberação dos recursos e seriam feitos dentro da própria agência.

Pelos crimes, o apelante foi condenado pela 1ª Vara Criminal de Presidente Médici a 2 anos e 8 meses de reclusão, e 13 dias-multa.  A 1ª Câmara manteve a sentença e negou o recurso.

O voto do relator, desembargador Daniel Lagos, destacou que o conjunto comprobatório do delito é suficiente para manter a condenação e que “as provas testemunhais são plausíveis frente ao contexto fático da ocorrência em questão, especialmente ao levar em consideração a riqueza de detalhes nas palavras das vítimas e o fato de sua versão ter se mantido sempre na mesma direção durante todo o feito (processo)”, rememorou.

O Ministério Público do Estado reiterou que, durante a tramitação processual, ficou comprovada a materialidade da conduta delituosa contra as quatro vítimas, que alegaram ter feito pagamentos na ordem de 2% do valor do financiamento dentro da instituição bancária.

O voto do relator foi acompanhado pelo desembargador Gilberto Barbosa e pelo juiz convocado Jorge Luiz de Moura Gurgel do Amaral.

sicoob credisul

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO