Coluna “Cego, Surdo e Mudo” / Foto: ilustrativa

@@@ CASSOL NO PÁREO

O jogo da sucessão estadual sofre uma nova embaralhada a partir de decisão de Brasília. É que o novo entendimento acerca da Lei “Ficha Limpa”, agora, interpretada pelo Ministro Nunes Marques, pode colocar Ivo Cassol na jogada. E, segundo os tradutores da movimentação política rondoniense, com Ivo no páreo é quase o mesmo do que Zico batendo falta da entrada da área: de nove em dez é bola na caçapa!

@@@ CASSOL NO PÁREO II

Cassol foi condenado em 2013 a mais de 4 anos de prisão por fraude a licitações na época em que era prefeito de Rolim de Moura. O STF reduziu a pena, que foi substituída por prestação de serviços à comunidade e multa no valor de R$ 201 mil.

@@@ OUTROS CONDENADOS TAMBÉM PODEM

Outro que apesar de ter anunciado aqui mesmo no Extra de Rondônia ter pendurado as chuteiras, mas que pode tirar as barbas de molho, é o também ex-senador e ex-governador Valdir Raupp. Afinal, se a lei beneficia um, também dá guarida ao outro.  A única coisa bem improvável de acontecer é ambos disputarem o mesmo cargo. Raupp foi condenado a 7 anos e 6 meses de reclusão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso da Petrobrás.

@@@ ROCHA COM PÉ NA ESTRADA

Falando em candidatura majoritária, o governador Marcos Rocha mantém o bloco na estrada, ancorado pelo programa “Tchau Poeira”. O coronel está é levantando muita poeira em suas andanças de Norte a Sul do Estado, fortalecendo seu projeto de permanecer à frente do governo.

@@@ MUDANÇA ELEITORAL

E as mudanças na legislação eleitoral também embaralham as disputas proporcionais, derrubam muitas pretensões e colocam outros atores em cena. E, por tabela, destrói um trabalho de elaboração das nominatas que vinha sendo desenhado há vários meses.

@@@ RILDO À CÂMARA FEDERAL

Mas alguns dos postulantes continuam firmes na convicção de concorrer a cargos do Legislativo. Um deles é o Coronel Rildo, de Vilhena, que cacifado com os votos que recebeu para prefeito nas eleições de 2020, deve mesmo tentar chegar à Câmara Federal.

@@@ PRIMEIRA-DAMA NA DISPUTA

A primeira-dama da capital, Ieda Chaves, deve mesmo concorrer a deputada estadual nas eleições do próximo ano. A eventual candidatura, caso se confirme, já nascerá bem vitaminada em virtude da ampla participação de Ieda na gestão do marido.

@@@ RUPTURA NO PV

Algo anda acontecendo nos bastidores da política vilhenense, particularmente nas relações entre o prefeito Eduardo Japonês e o presidente da Câmara, Ronildo Macedo, ambos do PV. Indicadores apontando para uma ruptura entre os dois. Macedo, que era defensor inquestionável do prefeito na Câmara, agora mudou o discurso.

@@@ RUPTURA NO PV II

E a ausência do prefeito Eduardo Japonês (PV), em cerimônia realizada pelo Legislativo na última sexta-feira, 13, ocasião em que a Câmara entregou ao Município um ônibus comprado com recursos economizados pelo Parlamento, acaba colocando mais lenha na fogueira.

@@@ BRIGA ATRAPALHA VILHENA

Mas a conta desta possível fratura pode acabar custando caro para Vilhena. Há quem diga que o projeto de Lei autorizando abertura de crédito para aquisição de máquinas a fim de reforçar a patrulha mecânica da Secretaria Municipal de Agricultura (Semagri) pode ficar engavetado até passar o prazo. Ou mesmo ser votado tarde demais, quando os preços dos equipamentos forem majorados.  A propositura do Executivo é de R$ 6 milhões.

@@@ APROXIMAÇÃO PV E PODEMOS

Mas, se a coisa está desgastada entre o Japa e Macedo, por outro lado, o prefeito pavimenta a estrada para firmar uma boa relação com o próximo presidente, Samir Ali (Podemos). Dias atrás, houve indicadores que uma aproximação entre os dois está muito bem azeitada. Assessor do parlamentar que antes tecia críticas 24 horas por dia, agora elogia o mandatário. Faz parte da política!

@@BIRRA DE PIÁ

O presidente Ronildo, aliás, pode causar mais prejuízos ao Município se permanecer nessa birra com integrantes da bancada federal em virtude do posicionamento dos deputados com relação a assuntos de dimensão política nacional. Ele fica metendo o bedelho em opiniões de parlamentares, como Léo Morais, por exemplo, e não se tocou que isso pode acabar fechando as portas do gabinete do deputado para o encaminhamento de demandas locais. Parece que ainda não entendeu a dimensão do jogo que participa e muito menos a pequena importância do papel que desempenha no tabuleiro. Humildade, acima de tudo!

@@@ CAOS NO TRÂNSITO DE VILHENA

Apesar de batido, o caos do trânsito municipal, que voltou a ser assunto na Câmara Municipal de Vilhena desta semana, acabou gerando outra vítima fatal no último sábado, 14. O vereador Pedro Sanches falou sobre o caso e pediu audiência entre autoridades locais para analisar o assunto.

@@@ CAOS NO TRÂNSITO DE VILHENA II

E o pior de tudo isso é que Vilhena não tem autoridades de trânsito com capacidade suficiente para gerir a situação. Citamos como exemplo o caso do trecho da Avenida Tancredo Neves, em frente à Câmara de Vilhena, que, a partir das 17h, uma das vias é liberada para a prática de caminhadas. A outra fica à disposição para a trafegabilidade de veículos, em mão única. Ocorre que, meses atrás, a Semtran determinou que a via de mão única se torne dupla. Devido às críticas na cidade, um dia depois, o então titular da pasta voltou atrás e “revogou” o ato, tornando a via mão única. Que palhaçada!

@@@ AMADORISMO

É um exemplo do amadorismo com que o sistema vem sendo conduzido, e não é de hoje, mas tal ônus cabe ao prefeito de plantão, por isso seria importante saber se no investimento de mais de R$ 600 mil, feitos com o escritório de arquitetura do Jaime Lerner, alguém pensou em incluir, junto com as pistas de pouso de disco-voador e mirantes no canteiro da BR 364, um singelo estudo do nosso obsoleto sistema de tráfego urbano. Com a palavra, as autoridades!

@@@ JUCA É A BOLA DA VEZ!

A articulação para confirmar o produtor rural Juca Mazzuti, de Vilhena, como candidato ao Senado, se fortalece dia após dia. O empresário vem recebendo adesões importantes ao seu projeto, e pode vir a ser mesmo a bola da vez para o próximo ano.

sicoob credisul