Ronildo Macedo, presidente do Legislativo / Foto: Extra de Rondônia

Vilhena vai devolver R$ 211 mil ao governo de Rondônia pelas polêmicas faixas elevadas que ainda dão dor de cabeça à atual administração municipal.

Na manhã desta terça-feira, 21, durante a sessão ordinária na Câmara Municipal, os vereadores aprovaram, por unanimidade, o projeto de lei nº 6.210/2021, que dispõe autorização para abertura de crédito adicional especial no valor de R$ 211.402,16, no orçamento da Secretaria Municipal de Trânsito (Semtran) para devolução de valores ao Governo de Rondônia.

O caso se arrasta desde 2018 e foi tema de discussão no parlamento por diversas vezes, já que as mesmas estariam mal executadas, provocando perigo no trânsito (leia mais AQUIAQUI e AQUI).

Em entrevista ao Extra de Rondônia após a sessão legislativa, Ronildo Macedo (PV), presidente da Casa de Leis, disse que Vilhena tem que devolver o dinheiro para que o município possa fazer um novo projeto.

“A devolução é necessária para que o governo possa mandar novos recursos e assim as faixas elevadas sejam executadas conforme o projeto elaborado e dentro dos padrões. O contrato com a empresa que executava o serviço foi suspenso visando uma melhor qualidade. A Câmara de Vereadores entendeu que as faixas elevadas foram mal feitas e Vilhena merece projetos concretos para reduzir os acidentes e melhorar a qualidade de vida da população”, destacou.

FISCAL ENTREGA DOSSIÊ AO MP

Em setembro de 2020, o servidor público municipal  Vanderley Raimundo de Luna, fiscal da execução e instalação de faixas elevadas, foi à sede do Ministério Público (MP) e protocolou um dossiê (contendo vídeos e fotos) denunciando omissão, quanto à obra, do prefeito Eduardo Japonês, o secretário municipal de planejamento (Semplan) Eduardo Fernando da Silva e o ex, Ricardo Zancan, além da controladora geral Erica Pardo Dala Riva, e o empresário Hélio Ikino (leia mais AQUI).

 

 

sicoob credisul

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO