Foto: Arquivo Familiar

O delegado Núbio Lopes, titular da Delegacia de Homicídios de Vilhena, apresentou na manhã desta segunda-feira, 22, a conclusão do inquérito policial que investigava a morte de Domingos de Souza Francisco, de 38 anos, morto a tiros pela Polícia Militar na noite de 01 de novembro de 2020, no entroncamento da Avenida Melvin Jones com a Celso Mazutti, em Vilhena, após um suposto assalto.

De acordo com os autos da investigação e como já afirmava a família desde o momento da morte, Domingos nunca teve a intenção das assaltar o motorista Wilson Kepler Monteiro Neres, de 49 anos, que pouco meses depois dos fatos e confrontado pelo delegado, confessou ter mentido para a Polícia Militar, a fim de que a vítima fosse apenas presa por estar armada.

Retratando seu depoimento inicial onde alegou que Domingos havia tentado lhe assaltar, o motorista, que no dia se deixou filmar pela PM afirmando que bandido tinha mesmo que morrer, confessou que nunca houve assalto, o que se configura comunicação de falso crime, pelo qual foi indiciado e será julgado.

Já com relação à conduta dos militares, que efetuaram 13 disparos de pistola contra Domingos, tendo 6 deles atingido seu corpo, porém, apenas um em região vital, o delegado concluiu que baseado nos autos, onde não se pode comprovar que os tiros que atingiram a vítima foram provenientes do recoxeteamento dos efetuados no solo, ouve sim exagero na ação de legítima defesa e excesso de tiros, pois não houve reação da vítima, que apenas tentou se desfazer da arma e não efetuou nenhum disparo.

Porém, como não se configurou a intenção de matar por parte dos 2 policiais que seguiam para outra ocorrência quando foram abordados pelo motorista, e também não foi possível precisar de qual das duas armas saiu o projétil que matou Domingos, ambos foram absolvidos do crime de lesão corporal seguida de morte.

Através das investigações também foi comprovado que Domingos praticou o crime de porte ilegal de arma de fogo e munições, uma vez que além dos projéteis que estavam no tambor do revólver, haviam mais 2 picotados debaixo do banco de sua motocicleta.

Questionado sobre o que poderia ter causado toda a situação onde Domingos, que era um homem trabalhador e andava armado apenas para de proteger de uma ameça que sofria por conta do trabalho de vendedor de frangos, o Delegado afirmou que de fato ocorreu um desentendimento onde a vítima acabou deixando o motorista do ônibus ver que ela estava armada e dalí para frente ocorreu uma sucessão de erros que acabou em tragédia.

Por fim, foi comprovado que Domingos andava armado apenas para se proteger de uma injusta ameaça de morte e que era um homem de bem, não tendo a intenção de assaltar Wilson ou trocar tiros com a PM.

sicoob credisul

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve em especial aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO