R$ 1 milhão é o valor aprovado por 7 dos 9 vereadores para construção de uma pista de caminhada em Chupinguaia; projeto gerou polêmica

Arquivado em: Conesul |

 

Na manhã de segunda-feira, 5, em sessão ordinária na Câmara Municipal de Vereadores de Chupinguaia, foi votado e aprovado por sete dos nove vereadores, projeto de indicação popular desenvolvido por uma acadêmica do curso de administração que trata da construção de um “Parque Ecológico” no centro da cidade.

O projeto foi idealizado por Rosana Chrisosthemos Soares Mendes que mora no município há 15 anos. Ela contou ao Extra de Rondônia que no centro da cidade existe um problema antigo de erosão e que coloca em risco a vida de quem mora no local.

Com isso, pensando como poderia ajudar a resolver a questão, fez um esboço, ou seja, um projeto e apresentou ao governador quando o mesmo esteve na cidade. Rosana disse que o governador achou interessante e se comprometeu em liberar cerca R$ 1 milhão para ajudar na obra.

Passaram-se um ano do contato com o governador e nada do prometido foi cumprido. Entretanto, o projeto foi apresentado à prefeita Sheila Mosso (PV), que gostou da ideia e após diversas conversas com os vereadores, entraram em acordo, e como havia uma sobra de R$ 1 milhão no caixa da prefeitura, a executiva abraçou a proposta e levou para votação na Casa de Leis, no qual nesta segunda foi aprovada por sete dos nove vereadores.

Sendo a favor do projeto, Lindaura Ferreira da Silva (PV), Ederson Luis Fassicolo (DEM), Vanderci de Paula Campos (PV), Rubens dos Santos Pereira (PV), Raquel Lisboa Louback Vieira (PSD), Antônio Francisco Bertozzi (PV), Valmir Passito Xavier (MDB).

Votaram contra: Monica de Cassia da Silva (PT) e Denilson Ramos da Cruz (PV).

No projeto consta revitalização da área, preservação e construção de uma pista de caminhada e pista para prática de ciclismo, além de outros benefícios para a comunidade.

Contudo, em contato com a prefeita, foi  afirmou ao Site que o projeto é bom para a cidade e que vai resolver de vez o problema da erosão. Sobre o valor de R$ 1 milhão, ressalta que foi sobra de receita própria que será aplicada na construção.

Indagada do porquê de não aplicar esse dinheiro na saúde, educação e na compra de máquinas para a secretaria de obras, que segundo informações não tem nem uma máquina funcionando. Sheila desmente, e respondeu que não está faltando máquinas na Semosp.

A pasta conta no momento com uma patrola, três caminhões basculantes, duas retroescavadeira e uma pá-carregadeira. Já foram licitadas e estão sendo recuperadas uma patrola e duas retroescavadeira. Além disso, a prefeita garante que até abril do corrente, o município vai receber com recursos do FITA e de emendas genéricas da bancada federal, dois caminhões basculantes e duas pás-carregadeiras. Por isso, está usando a sobra para iniciar a construção do “Parque das Araras”, nome dado ao projeto.

A prefeita enfatiza que tem consciência que o valor de R$ 1 milhão não será suficiente para e terminar o projeto, mas vai correr atrás de recursos para tal fim.

“Se tivesse tudo mil maravilhas, sem problemas na educação, saúde, estradas rurais, segurança, transporte entre outros, seria louvável e plausível gastar R$ 1 milhão na construção de uma pista de caminhada, mas com tantas dificuldades enfrentadas pela comunidade, talvez seja inviável o projeto”, disse Maria José Almeida, de 43 anos, moradora há 17 anos na cidade.

>>>>>>>>>>Clique na imagem para ampliar>>>>>>>>>>

Texto: Extra de Rondônia

Fotos: Cedidas pela prefeitura

 

 

COMUNICADO: Atenção caros internautas: recomenda-se critérios nas postagens de comentários abaixo, uma vez que seu autor poderá ser responsabilizado judicialmente caso denigra a imagem de terceiros. O aviso serve, em especial, aos que utilizam ferramentas de postagens ocultas ou falsas, pois podem ser facilmente identificadas pelo rastreamento do IP da máquina de origem, como já ocorreu.

A DIREÇÃO