Luciana da Cruz visitou a redação do Extra de Rondônia na manhã desta quarta
Luciana da Cruz visitou a redação do Extra de Rondônia na manhã desta quarta

Em visita ao Extra de Rondônia na manhã desta quarta-feira, 22, a vigilante Luciana da Cruz Pereira fez uma série de reclamações relacionadas à qualidade do atendimento do Hospital Regional do município de Vilhena.

Segundo ela, a sobrinha, que nasceu no sábado, 18 de outubro, com falta de oxigênio no cérebro e plaquetas baixas, está morrendo aos poucos na unidade de saúde porque o município não conta com uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal, e o bebê precisa urgentemente ser encaminhado à capital do estado, Porto Velho.

O grande problema do encaminhamento é que todos os leitos da UTI neonatal estão ocupados em Porto Velho, e a recém-nascida está aguardando na fila uma vaga. “Pra piorar a situação, fomos informados que outro bebê nascido em Porto Velho também precisa de uma vaga com urgência. Até ontem a vaga era da minha sobrinha, hoje já não sabemos se será dela, muito menos quando o leito estará disponível”, relatou.

A vigilante disse que resolveu procurar o Extra de Rondônia porque enfrentou o mesmo problema há três anos, quando perdeu um filho no HR por falta de UTI neonatal. “Ontem aconteceu comigo, hoje está acontecendo com meu irmão; e amanhã vai acontecer com quem? Não sei onde isso vai parar, é um descaso tremendo com a população”, questionou a vigilante.

A mãe da menina está recebendo orientação psicológica devido aos problemas que deveriam ser solucionados pelo poder público. Luciana da Cruz Pereira disse que procurou o Ministério Público (MP) para tentar conseguir uma vaga para sua sobrinha. “Ontem à noite a pediatra de plantão pediu que orássemos, para que o bebê não tivesse hemorragia. A médica que assumiu o plantão nesta quarta fez uma avaliação e já nos informou que a criança está com hemorragia no pulmão, e já apresenta lesões cerebrais, o que significa que ela terá problemas neurológicos, caso consiga escapar com vida”, explicou a tia do bebê.

Texto: Extra de Rondônia

Foto: Extra de Rondônia

sicoob credisul
vacina 728×90