Por determinação judicial, a coligação “Trabalho, Respeito e Verdade Já!”, que tem Eduardo “Japonês” (PV) e Maria José da Farmácia (PSDB) como candidatos a prefeito e vice na eleição suplementar em Vilhena, terá que excluir de sua propaganda o nome do Partido Social Cristão (PSC).

A decisão foi proferida pelo Juiz Eleitoral, Gilberto José Giannasi, nesta terça-feira, 22.

De acordo com a decisão, a coligação que apoio “Japonês” terá que se abster de distribuir, a partir desta terça-feira, todo o material de propaganda eleitoral que contenha menção ao PSC, partido já excluído da referida coligação.

“Proceda à imediata regularização de sua propaganda eleitoral, a fim de que não conste menção da agremiação partidária excluída”, destacou o magistrado.

Em caso de descumprimento, o Juiz fixou o pagamento de R$ 5 mil, por dia à coligação.

O CASO

A retirada do PSC da coligação “Trabalho, Respeito e Verdade Já!”, deve-se ao pedido feito pela diretoria do partido.

Marcelo de Farias, presidente da sigla, foi quem levou à tona a irregularidade em Ata que  proclamou “Japonês” candidato a prefeito. O líder partidário disse que o PSC nunca assinou essa ata de convenção. Leia AQUI

Advogados da coligação “A Vontade do Povo”, que apoiam Rosani Donadon, afirmam que “outros partidos serão excluídos da coligação de Japonês devido a este problema”. Leia AQUI

 

Texto e fotos: Assessoria

 

sicoob credisul
vacina 728×90